Com a sua licença

Quanto tempo dura um luto? O quanto um luto incapacita alguém para o trabalho? O quanto tornar-se pai requer a suspensão das atividades profissionais para que se possa trabalhar o pai nascendo em si? Que dor de barriga, dor na coluna ou filho doente são páreo para o apaixonado que adoece de amor? Mas se adoece de amor? Quais licenças são necessárias para contemplar os estados de exceção em que as circunstâncias da vida lançam o trabalhador? Qual é, diante dos imprevistos da vida, o trabalho necessário para que se continue trabalhando, mesmo que para tanto seja necessário interromper por um tempo o tempo de trabalho? Na oficina de hoje, instituíram-se licenças. E se a licença poética põe a perder o tanto de poético que não pede licença para acontecer, assim também a licença de trabalho põe a perder o tanto de trabalho que há em perna quebrada, crise de labirintite, transtorno pós-traumático. E por isso, que se reescrevam as licenças, para que a lei, que torna visível o que não se vê, dê a ver as urgências que teimam em ser adiadas pelo trabalho, como se trabalho não fossem.

Licença aos pedaços
Artigo único. Fica instituído o direito de licença por tempo indeterminado à pessoa que precisa consertar os pedaços do coração.

Licença querido avô
Artigo único. Caso a pessoa possua um avô ou uma avó que tenham o dom de contar longas histórias no horário antes do almoço, assegura-se por este decreto o direito a se atrasar levemente a compromissos legais ou ao local de trabalho, a fim de garantir que a pessoa ouça a lorota até o final.

Licença-medo
Artigo único. Toda vez que a pessoa sentir medo de algo ou principalmente de viver, torna-se isenta de praticar qualquer atividade à qual esteja submetida, inclusive a de se levantar da cama.

Licença-recomeço
Artigo único. Fica estabelecido que todo indivíduo terá o direito a sonhar acordado com os sorrisos e palavras doces dos novos amores por quanto tempo o amor durar.

Licença-spoiler 
Artigo único. Por meio desta declara-se que qualquer pessoa que tenha tido o coração partido e todos os sonhos e expectativas dizimados por conta de spoiler tem direito a permanecer em casa tempo suficiente para que se emende o coração partido.

Licença-partiu
Artigo único. Qualquer filho tem o direito de frequentar festas mesmo sem a permissão dos pais, inclusive o direito de ir e voltar em qualquer horário e com a roupa que quiser.

Licença para a vida 
Artigo único. Fica decretado que todas as pessoas, sem exceção, têm o direito de viver suas vidas às suas próprias maneiras, inclusive o direito de amar livremente e sonhar.

Licença-paixão 
Artigo único. Toda pessoa que se apaixonar tem direito de se declarar, independentemente de sua orientação sexual, e sem que o amado rompa a amizade já existente com o declarante.

Autores: Eduarda Assunção, Isabela Gama, Iuli Duarte, Juliana Rodrigues, Larissa Costa, Luanna Rodrigues, Marcelly Firmino, Ygor Macedo.

(Hoje o nosso registro difere daquele tempo em que Thiago de Melo escreveu os Estatutos do Homem, mas a insistência em legislar contra a lei jogando com as palavras diz algo acerca do odor autoritário que ambos os tempos do Homem se colocam. Por isso, fica-lhe como homenagem a oficina de hoje.)

Anúncios

Um comentário sobre “Com a sua licença

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s